Porto Velho de novo sem Natal

 Porto Velho é mesmo uma cidade amaldiçoada cujo protetor maior é o Satanás. Mais outro ano vamos ficar sem decoração natalina. Pelo menos é o que diz o atual prefeito Dr. Hildon Chaves. O mesmo que fez (falsas) juras de amor quando queria se eleger em 2016. “Porto Velho, eu vou cuidar de você. Curar tuas feridas, adornar teus canteiros, perfumar teus ares”. Os filhos da velha e abandonada rapariga caíram direitinho nas lorotas e enganações do candidato que dizia nem ser político. A desculpa dessa vez foi a eterna falta de recursos. Raríssimas vezes na história,essa currutela fedida teve iluminação e decoração natalinas que combinassem de fato com uma cidade que se orgulha de ser uma capital de Estado. Ji-Paraná, Cacoal, Vilhena e muitas outras cidades bem menores e mais pobres no Estado já mostram suas iluminadas avenidas.

Lâmpadas coloridas, renas, Papai Noel e enfeites de um modo geral não enchem a barriga de ninguém nem trazem dinheiro ou riqueza para os munícipes, mas tudo isso melhora a autoestima dos moradores de qualquer cidade. Paris, para onde nosso prefeito foi depois de trabalhar apenas seis meses, está um deslumbre. A Avenida ChampsÉlysées encanta o mundo. A noite na “Cidade Luz” vira dia nesta época. Gramado e Canela na Serra Gaúcha atraem milhares de turistas todos os anos para ver a iluminação e a beleza de suas iluminadas praças, avenidas e ruas. Curitiba, a bela e limpa capital do Paraná, está um deslumbre nestas festas de final de ano. Palmas no Tocantins dá gosto de se ver. E Porto Velho? O que tem para mostrar neste Natal e em tantos outros por que já passamos em meio ao lixo, à escuridão, à sujeira, à fedentina e à podridão?

Grande parte da população desta capital, e dos eleitores de Hildon Chaves, é composta de pessoas simplórias, sem leitura de mundo, sem informações e que por falta de dinheiro não viaja para nenhum outro lugar do mundo. Todos nós somos obrigados pelas circunstâncias a ter que ficar aqui e apreciar o “nada” que a cidade e seus administradores nos oferecem. Chuva torrencial, lama, carapanã, lixo boiando, violência, merda, escuridão é o que vemos todos os anos durante o Natal e o Réveillon de Porto Velho. Pior: a prefeitura ainda tenta cinicamente iludir a população dizendo que priorizou a iluminação pública em vez da natalina, que é passageira e provisória. Mentira deslavada, pois mesmo no centro há ainda muitas ruas escuras feito breu. Talvez seja para combinar com a ponte do rio Madeira. Não merecíamos coisa melhor?

O prefeito, neste aspecto, está muito pior do que Roberto Sobrinho do PT. Perde até para o “lento” Mauro Nazif. Quem não se lembra dos enfeites perto da rodoviária na Avenida Jorge Teixeira todos os anos? E apesar do horroroso “Natal dos pneus” de 2014, Nazif caprichou no ano seguinte com uma das melhores iluminações de Natal de toda a região Norte. Várias ruas e avenidas foram preparadas em grande estilo naquele ano. “Dr. Hildon, o povo daqui gosta de ver sua cidade bem iluminada e toda decorada nas festas de fim de ano! Por que o senhor e sua equipe não se prepararam para isso? Ou o senhor ainda está esperando pela chuva de bosta para começar a embelezar de fato a cidade que prometeu limpar, adornar e amar? Não é assim que se curam feridas. Melhore a nossa autoestima”. Como não viajarei, vou encher o rabo de cachaça ruim no Natal. E tomara que na noite de 24/12 chova muito, falte energia e não tenhamos festas.

*É Professor em Porto Velho.

Autor / Fonte: Professor Nazareno

Leia Também

Comentários